BECE - Biblioteca Pública Estadual do Ceará BECE - Biblioteca Pública Estadual do Ceará

Programação Novembro
Programação Novembro

Em novembro, a Biblioteca Pública Estadual do Ceará (Bece), equipamento da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult Ceará) gerido em parceria com o Instituto Dragão do Mar – IDM preparou uma programação especial e diversificada para você! Confira nossa programação:

*Programação sujeita a alterações.

03 DE NOVEMBRO – QUARTA FEIRA

  • 15H | OFICINA “MNEMOSINE: PORQUE MEMÓRIA É FEMININA!” COM PAULA YEMANJÁ

Inscrições: de 29/10 a 2/11 / Formulário de Inscrição: https://forms.gle/xG6kDaEjfNHA9Dn36 / Local: Espaço Multiuso/ Duração: 3h/ Público alvo: atores, contadores de histórias, professores, mediadores de leitura, bibliotecários e estudantes.

Partindo do compartilhamento da experiência de criação da performance “Mnemosine: Porque Memória é Feminina!, a atriz e contadora de histórias Paula Yemanjá propõe algumas reflexões sobre o ofício do contador de histórias e o ato de ouvir e narrar histórias de vida. A artista discorre sobre os princípios que norteiam suas escolhas artísticas, refletindo sobre seu fazer artístico tecendo sobre as relações entre ficção e realidade nas narrativas de memórias.  Através de alguns exercícios práticos, transformaremos lembranças pessoais em textos narrativos e, coletivamente, iremos elencar possibilidades de escritas cênicas para histórias surgidas durante o processo. Público alvo: atores, contadores de histórias, professores, mediadores de leitura, bibliotecários e estudantes.

 

06 e 07 DE NOVEMBRO – SÁBADO E DOMINGO

 

  • 10H E 14H | ESPETÁCULO “O SARAU DA NINA – CONTOS, VERSOS E BRINCADEIRAS DIVERSAS – BRINCAR COM AS PALAVRAS” COM GRUPO FORMOSURA

Local: Setor Infantil / Duração: 1h / Classificação indicativa: Livre

O Grupo Formosura de teatro, na esteira dos  mamulengueiros nordestinos, constitui uma família de artistas que se juntam a parceiros da sua arte no difícil movimento de realizá-la em grupo.  O trabalho iniciou em 1985, a partir da criação de espetáculos com bonecos. Hoje o grupo elabora suas criações a partir da relação  boneco e do ator em cena.  Refletindo a irreverência, a espontaneidade e o humor comuns à tradição de brincantes populares, o grupo investe, igualmente, em diferentes linguagens que problematizem a experiência humana e o contexto político-social em que está inserida.   Em seu repertório consta a montagem de espetáculos com atores e bonecos e também  apresentação de contos da tradição oral, lendas e fábulas direcionadas  para crianças de zero a 100 anos.

 

09 DE NOVEMBRO – TERÇA FEIRA

  • 18h | HISTÓRIAS DE QUEM LÊ CONVIDA LUIZA NOBEL

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Fernanda Meireles 

O programa propõe conversar com pessoas que revelam nas suas trajetórias de vida a relação próxima e afetiva com os livros, a escrita, a palavra e a literatura. O fio condutor da conversa é a narrativa sobre a experiência transformadora da leitura, da escrita e da palavra. A convidada desta edição é Luiza Nobel é cantora, atriz, compositora e arranjadora musical. Foi vencedora do Festival de Música da Juventude de Fortaleza em 2019. Em seu repertório de percussão forte e ritmo swingado, a artista passa pelo Reggae, Rap, RnB, Samba e Soul.

 

13 E 14 DE NOVEMBRO – SÁBADO E DOMINGO

 

  • 10h e 14h | ESPETÁCULO “SE CAJUEIRO FALASSE” COM ZEPELIM ARTE PARA INFÂNCIA

Local: Setor Infantil / Duração: 1h/ Classificação indicativa: Livre

Um era de Lá e o outro de Acolá . Um comia cuzcuz. O outro açai. Um sempre contava as mais belas histórias. O outro também. Até que um dia eles se cruzaram embaixo do Cajueiro e o dia durou como se fosse três. Todo mundo parava pra ouvir e se divertir. Teve gente que nem ia mais pra casa de tanta história que não tinha fim. Dizem que foi o destino que pregou uma peça nesses viajantes da imaginação e que até hoje eles reúnem gente de todo canto, com ouvidos do coração bem abertos e os olhos da imaginação bem atentos. Um encontro inusitado de dois narradores. Um cajueiro como testemunha.  E uma ruma de histórias e confusões são os principais ingredientes dessa divertida contação de histórias do grupo Zepelim Arte Para a Infância. Uma obra criada a partir das vivências dos integrantes do grupo nos diversos espaços de educação e diversão e as experiências com a música, o teatro e a arte de contar histórias na cidade de Fortaleza e de Pacajus- Ce.

16 DE NOVEMBRO – TERÇA FEIRA

 

  • 18H | HISTÓRIAS DE QUEM LÊ CONVIDA: SAMUEL EM TRANSE

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Fernanda Meireles 

O programa propõe conversar com pessoas que revelam nas suas trajetórias de vida a relação próxima e afetiva com os livros, a escrita, a palavra e a literatura. O fio condutor da conversa é a narrativa sobre a experiência transformadora da leitura, da escrita e da palavra. O convidado desta edição é Samuel em Transe, colagista há 10 anos, já ministrou oficinas na maioria das bibliotecas comunitárias da periferia de Fortaleza. Cria colagens digitais e manuais!

 

17 DE NOVEMBRO – QUARTA FEIRA

  • 09h30 | ENCONTRO DO CLUBE DE LEITURA “CONVERSA” 

Loca: Espaço Multiuso  / Duração: 1h30 / Número de participantes: 15/ Classificação indicativa: Livre

 

  • 13h30 e 14h30 | II OFICINA “DESDOBRE E DOBRE- OFICINA DE ORIGAMI” COM UIRÁ OLIVEIRA

Local: Sala Multiuso / Duração: 1h / Inscrições: 09 à 15 de novembro / Link: https://forms.gle/wpsFeZqHKJZyddgC7 / Classificação indicativa: Livre /  Oficineiro: Uirá Oliveira

Release: A oficina “Desdobre e Dobre – Oficina de Origami” é uma atividade criada por uma criança e voltada, inicialmente, para crianças. Entretanto com o passar do tempo, percebemos o interesse em outros públicos de aprender mais sobre origamis. Então, passamos a ensinar para todos os interessados nessa arte tradicional da cultura japonesa, que consiste em fazer dobraduras com pequenos pedaços de papel. Serão ensinadas as seguintes peças: tsuru, flor de lótus, piano, porta-retratos, pássaros, baleia, gato, pato, morcego, mesa, caixa de porta-jóias, dentre muitas outras peças.

18 DE NOVEMBRO – QUINTA FEIRA

 

  • 15H | DESCOBERTAS DA PESQUISA ACADÊMICA: “A PESQUISA ACADÊMICA EM ANTROPOLOGIA NOS ESTUDOS AFRICANOS: UMA PROPOSTA DE ETNOGRAFIA DO RETORNO” COM SEGONE COSSA 

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Rodrigo Ribeiro

É uma iniciativa da Coordenação de Acervo, Pesquisa e Conhecimento voltada à apresentação dos aspectos teórico-metodológicos da pesquisa nas várias áreas das Ciências Humanas. Para tanto, o programa tem uma pergunta norteadora: como a pesquisa na Biblioteconomia, – na Literatura, na Antropologia, na História, por exemplo, – é realizada? Neste sentido, o programa conta com a participação de professores com larga experiência no trato com a pesquisa e seus procedimentos teóricos, técnicos e metodológicos, buscando, assim, esmiuçar os pormenores do trabalho acadêmico de investigação e análise de um determinado tema de estudo em uma das áreas do conhecimento acima citadas. O Descobertas… propõe aproximar a Bece dos pesquisadores que, em algum momento, consultaram o seu acervo. Em novembro, contaremos com a presença do Prof. Dr. Segone Cossa, da UNILAB, que abordará as especificidades da pesquisa acadêmica em antropologia e decolonização.  

20 E 21 DE NOVEMBRO – SÁBADO E DOMINGO

 

  • 10H E 14H | ESPETÁCULO “CONTOS E CANTOS” COM SÂMIA BITTENCOURT 

Local: Setor Infantil / Duração: 1h/ Classificação indicativa: Livre

Atriz, bailarina e palhaça, (DRT-92), 46 anos, graduada no Curso Superior em Artes Cênicas-CEFET-CE. Com 28 anos em cena, já atuou em mais de 20 espetáculos. Desde 1993 tem seu trabalho artístico voltado para a pesquisa do corpo em cena com bases na Cultura Popular e na Antropologia Teatral. Sua veia cômica levou a atriz diretamente ao mundo da palhaçaria e do circo, onde já ganhou quatro prêmios com sua palhaça Nada no espetáculo Nada, Nenhum e Ninguém (1997). Atualmente dirige a Cia. CLE- Circo Lúdico Experimental, com pesquisa na acrobacia cênica e na palhaçaria.

 

22 DE NOVEMBRO à 26 DE NOVEMBRO – SEGUNDA  À SEXTA-FEIRA

 

  • 08H30 às 12H30 | ARTE EM REDE –  AS DIFERENTES FORMAS DE ACESSO À LEITURA: PRÁTICAS ACESSÍVEIS EM ESCOLAS E BIBLIOTECAS | COM PROFESSOR BOSCO

Plataforma: Meet / Duração: 20h / Inscrições: 10 à 20 de novembro / Link de inscrições: https://forms.gle/F1GXQ59casExmqTXAClassificação indicativa: Livre / Mediação: Professor Bosco 

O curso “As diferentes Formas de Acesso à Leitura: Práticas acessíveis em escolas e bibliotecas”, será ministrado por um professor com deficiência visual e tem como intuito apresentar e discutir conceitos, tecnologias assistivas, práticas acessíveis que valorizem e acolham as múltiplas formas de se estar no mundo. A formação por meio da plataforma online Google Meet, e abordará os seguintes tópicos: Conceitos e tipos de deficiência; dados estatísticos e legislação; mitos e verdades sobre as pessoas com deficiência; Acessibilidade física, comunicacional e atitudinal; tecnologias assistivas; audiodescrição; exemplos de práticas acessíveis e inclusivas. Destina-se a professores, bibliotecários, agentes e mediadores de leitura e demais pessoas que atuem em escolas e bibliotecas e que estejam interessadas em trocar experiências e conhecer mais sobre práticas acessíveis e inclusivas. 

23 DE NOVEMBRO – TERÇA FEIRA

  • 14h às 16h | ARTE EM REDE – POVOS, RAINHAS E REIS, HEROÍNAS E HERÓIS, DEUSAS E DEUSES NEGRAS(OS): POR UMA LITERATURA INFANTOJUVENIL QUE FORTALEÇA AS CULTURAS AFRO BRASILEIRAS

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 2H Classificação indicativa: Livre

Release: A proposta de webnário (2h) tem como objetivo geral potencializar a aprendizagem do público sobre a cultura afro-brasileira, no contexto da defesa de uma literatura infanto-juvenil antirracista que contemple protagonistas negras(os), junto ao reconhecimento das ancestralidades africana positivas. Projeto de Vinícios Ferraz, homem negro, Ogan de comunidade tradicional de terreiro de Candomblé, morador da periferia, escritor de estórias infantis, mediador de leitura, formador de professores, educador de crianças pequenas, pedagogo, mestre e doutor em educação brasileira – UFC e brincante de cultura popular negra de Afoxé defendo que o “Brasil conheça melhor e respeite o Brasil negro profundo”! Como participante do webinário: Lia Braga, é atriz, dançarina e contadora de histórias. Sua pesquisa envolvendo ludicidade e infância é voltada para os corpos brincantes de crianças, especialmente na etapa da Educação Infantil.

  • 18H | HISTÓRIAS DE QUEM LÊ CONVIDA: LEONARDO VILLA FORTE

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min/ Classificação indicativa: Livre / Mediação: Fernanda Meireles 

O programa propõe conversar com pessoas que revelam nas suas trajetórias de vida a relação próxima e afetiva com os livros, a escrita, a palavra e a literatura. O fio condutor da conversa é a narrativa sobre a experiência transformadora da leitura, da escrita e da palavra. O convidado desta edição é: Leonardo Villa-Forte é escritor, professor e pesquisador. Publicou os livros Escrever  sem escrever: literatura e apropriação no século XXI, ensaio que recebeu Menção Honrosa no Prêmio Casa de Las Américas 2020; O princípio de ver histórias em todo lugar (romance); O explicador (contos), Agenda e Hotel (contos avulsos). Tem trabalhos no campo da literatura expandida e da escrita artística, como o Paginário, série de intervenções com 70 murais em Brasil, Portugal e Espanha, e MixLit – O DJ da Literatura, plataforma de literatura remix.

24 DE NOVEMBRO – QUARTA FEIRA

 

  • 10H | WEBINÁRIO AFROFUTURISMOS: FICCÕES CIENTÍFICAS, MOVIMENTOS SOCIAIS E PROTAGONISMO NEGRO

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 120 min/ Classificação indicativa: Livre /

A proposta do webinário é promover o debate em torno do movimento cultural e estético de amplo espectro na literatura, na fotografia, no cinema e na música, por exemplo, com o fim de revisar narrativas excludentes e eurocêntricas em relação à diáspora africana, à escravidão e à afrodescendência. O afrofuturismo tem na sua gênese uma feição social e um pendor político claro no que tange à valorização da ancestralidade, mas apontando para uma perspectiva na qual o negro não havia ainda sido colocado pelas narrativas europeizantes: a de um futuro do presente de protagonismo e de autoafirmação identitária. O webinário contará, por sua vez, com a participação de profissionais da área da comunicação, das políticas públicas e de artistas de diferentes linguagens com o propósito de refletirem sobre as reivindicações do direito à cidadania e aos protagonismos social e cultural do negro na sociedade brasileira da atualidade.          

 MESA 1 – ESCRITAS DECOLONIAIS: COMUNICAÇÃO, IGUALDADE RACIAL E CIDADANIA

A escrita é um repositório da memória e um instrumento efetivo de poder. Neste sentido, as práticas sociais dos povos africanos que eram, predominantemente, oralizadas sofreram imposições e silenciamentos. A diáspora africana, por exemplo, decorrente do tráfico transatlântico, promoveu rupturas sociais e cerceamento de liberdades. A partir do afrofuturismo, como a ancestralidade afro-brasileira passou a figurar como um instrumento de força política? Como as escritas decoloniais, em especial a literatura, atribuem centralidade e protagonismo aos jovens negros e periféricos? E mais: que iniciativas da sociedade civil organizada têm contribuído com a busca por reconhecimento da igualdade racial de jovens negros no Brasil?          

 

  • 19H | LIVROS ABERTOS: ARTES, VOZES E CULTURAS DOS POVOS INDÍGENAS

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Glória Diógenes / Convidades: Geórgia Cardoso e Bárbara Matias

Ouvir a palavra dos povos originários. Escutar Livros Abertos de gestos, criações, da energia que mina de águas ancestrais. Corpos de palavras que inundam a cultura e as artes dos povos indígenas. Como falou Jaider Esbell, artista do povo Mukuxi, são muitos indígenas contemporâneos, que apesar de usarem a tela de um smartphone, falam de uma arte espiritual, de uma arte que funde o urbano com as energias das matas e florestas. Uma arte no palco de resistência da vida.

 

25 DE NOVEMBRO – QUINTA FEIRA

 

  • 10H | WEBINÁRIO AFROFUTURISMOS: FICCÕES CIENTÍFICAS, MOVIMENTOS SOCIAIS E PROTAGONISMO NEGRO  

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 120 min/ Classificação indicativa: Livre /

A proposta do webinário é promover o debate em torno do movimento cultural e estético de amplo espectro na literatura, na fotografia, no cinema e na música, por exemplo, com o fim de revisar narrativas excludentes e eurocêntricas em relação à diáspora africana, à escravidão e à afrodescendência. O afrofuturismo tem na sua gênese uma feição social e um pendor político claro no que tange à valorização da ancestralidade, mas apontando para uma perspectiva na qual o negro não havia ainda sido colocado pelas narrativas europeizantes: a de um futuro do presente de protagonismo e de autoafirmação identitária. O webinário contará, por sua vez, com a participação de profissionais da área da comunicação, das políticas públicas e de artistas de diferentes linguagens com o propósito de refletirem sobre as reivindicações do direito à cidadania e aos protagonismos social e cultural do negro na sociedade brasileira da atualidade.          

MESA 2 – AFROFUTURISMO COMO PROPOSIÇÃO ESTÉTICA NAS ARTES VISUAIS

O afrofuturismo faz uso dos passados ancestral e histórico para propor, através da fruição estética, ações sociais e feitos culturais que considerem o protagonismo negro como pauta e prática política. Que técnicas e linguagens as artes visuais têm-se apropriado como recurso de reivindicação de direitos sociais de jovens negros no Brasil? O que caracteriza o afrofuturismo como proposição estética?  Que futuro o afrofuturismo propõe?   

 

  • 15h | TRAVESSIAS LITERÁRIAS – “PARÁBOLA DO SEMEADOR” DE OCTAVIA BUTLER, COMENTADO POR DARWIN MARINHO

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Fernanda Meireles 

O programa “Travessias Literárias” visa revisitar obras relevantes para os dias de hoje e que se destacam pela sua originalidade, além de um curioso percurso junto ao público e crítica. O programa deste mês irá falar sobre “A Parábola do Semeador” de Octavia Butler. Quando uma crise ambiental e econômica leva ao caos social, nem mesmo os bairros murados estão seguros. Em uma noite de fogo e morte, Lauren Olamina, a jovem filha de um pastor, perde tudo e se aventura por um Estados Unidos dominado pela violência e pelo terror. Mas o que começa como uma fuga pela sobrevivência acaba levando a algo muito maior: uma surpreendente visão do destino humano… e ao nascimento de uma nova fé.

27  DE NOVEMBRO – SÁBADO 

  • 09h30 | ENCONTRO DO CLUBE DE LEITURA “CONVERSA” 

Loca: Espaço Multiuso  / Duração: 1h30 / Número de participantes: 15/ Classificação indicativa: Livre

 

  • 10H E 14H | ESPETÁCULO “BAÚ DE HISTÓRIAS” COM ALMIR MOTA

Local: Setor Infantil  Duração: 1h / Classificação indicativa: Livre

A Casa do Conto, grupo de contação de histórias formado por Almir Mota, Júlia Barros, Mara Monteiro e Teddy Williams apresenta Baú de Histórias, um repertório cheio de narrativas de encantamento. O grupo promete tirar histórias lá do fundo do baú, do tempo que contavam histórias na Biblioteca Pública, a BECE e também histórias recentes. O convite está feito, venha se divertir, ouvir histórias, brincar e cantar com a Casa do Conto! O grupo integrado por Almir Mota, Júlia Barros, Mara Monteiro e Teddy Williams iniciou suas atividades de contação de histórias em 2002, no setor infantil da biblioteca. De lá pra cá são 19 anos contando histórias juntos e promovendo a leitura em bibliotecas comunitárias e espaços de leitura.

28 DE NOVEMBRO – DOMINGO

  • 10H E 14H | ESPETÁCULO “BAÚ DE HISTÓRIAS” COM ALMIR MOTA

Local: Setor Infantil  Duração: 1h / Classificação indicativa: Livre

A Casa do Conto, grupo de contação de histórias formado por Almir Mota, Júlia Barros, Mara Monteiro e Teddy Williams apresenta Baú de Histórias, um repertório cheio de narrativas de encantamento. O grupo promete tirar histórias lá do fundo do baú, do tempo que contavam histórias na Biblioteca Pública, a BECE e também histórias recentes. O convite está feito, venha se divertir, ouvir histórias, brincar e cantar com a Casa do Conto! O grupo integrado por Almir Mota, Júlia Barros, Mara Monteiro e Teddy Williams iniciou suas atividades de contação de histórias em 2002, no setor infantil da biblioteca. De lá pra cá são 19 anos contando histórias juntos e promovendo a leitura em bibliotecas comunitárias e espaços de leitura.

30 DE NOVEMBRO – TERÇA FEIRA

 

  • 18H | HISTÓRIAS DE QUEM LÊ CONVIDA: LETRUX

Plataforma: Youtube da BECE / Duração: 50 min / Classificação indicativa: Livre / Mediação: Fernanda Meireles 

O programa propõe conversar com pessoas que revelam nas suas trajetórias de vida a relação próxima e afetiva com os livros, a escrita, a palavra e a literatura. O fio condutor da conversa é a narrativa sobre a experiência transformadora da leitura, da escrita e da palavra. A convidada desta edição é: Letrux, com o carinhoso apelido dado pelos amigos, ficou conhecida em todo país após o lançamento do seu primeiro disco solo, EM NOITE DE CLIMÃO (Joia Moderna, 2017), a escritora, cantora, compositora, poeta e atriz Letícia Novaes é um dos nomes de maior destaque no cenário da música independente contemporânea.